Retorne ao SPIN

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Patrícia Poeta foi tragada pela “destruição criadora”

Patrícia Poeta foi tragada pela “destruição criadora”

Autor: Paulo Nogueira, do DCM
Por Ramiro Furquim/Sul21
Era uma vez Patrícia Poeta.
Três anos depois de  chegar ao Jornal Nacional, ela está fora.
Segundo o comunicado da Globo, o prazo já estava estabelecido quando ela passou a fazer companhia a Bonner no JN.
Como pouca gente acredita na Globo, também a explicação oficial foi imediatamente alvo de suspeição na internet.
Uma das teorias conspiratórias sugeria que Dilma mandara demiti-la depois que ela lhe apontou o dedo na já célebre entrevista concedida ao Jornal Nacional.

Mas um momento: se isto for verdade – não dá para ter certeza sequer a respeito do dedo – então Ricardo Noblat já deve estar esvaziando a gaveta.
Infração à etiqueta por infração à etiqueta, a de Noblat foi muito pior – além de comprovada.
Na sabatina presidencial do Globo, Noblat mandou Dilma falar menos para que ele e os colegas de Globo pudessem falar mais.
Noblat diria a mesma coisa a algum Marinho, numa reunião da empresa?
Mas é muito difícil acreditar que Dilma tenha pedido a cabeça de Patrícia. Dilma não tem histórico de pedir cabeças de jornalistas, ao contrário de Serra, para ficar num caso, e de Aécio, para citar outro.
Logo, não existem razões para Noblat esvaziar preventivamente a gaveta.
Outra especulação é que teria pesado contra Patrícia a informação, dada por Lauro Jardim, da Veja, de que ela estaria comprando um apartamento de 12 milhões de dólares de frente para o mar, no Rio.
“Os caras da Globo ganham tanto assim?”, perguntou um internauta quando soube do apartamento.
De fato, mesmo sem levar a sério as teorias conspiratórias, é estranho a Globo anunciar a saída dela tão perto das eleições, sobretudo depois da grande repercussão das entrevistas do JN com os presidenciáveis.
As empresas costumam anunciar este tipo de coisa em momentos de calmaria, e não no calor de uma campanha presidencial.
Saiamos das especulações e entremos nas coisas como concretas como o desempenho de Patrícia. Estaria aí a razão da troca?
Sob o ponto de vista do Ibope, ela foi mal. Pegou o JN com audiência média de 30%, em 2011, e o entrega um terço menor.
Mas, se fosse assim, Bonner também teria que ser despedido. Quando Bonner assumiu o JN, em 1996, a audiência era superior a 40%.
Agora, é metade disso.
Na mesma linha, o editor do JN, Ali Kamel, também teria que ser substituído.
Mas sejamos justos: a má qualidade responde apenas por uma pequena parte da queda de audiência não apenas do JN mas de todos os demais programas da Globo.
O impacto muito maior vem da internet.
A internet é uma mídia disruptora. Ela vai pegando todas as demais. Revistas e jornais sofreram primeiro, mas a tevê convencional é a próxima grande vítima.
Como mostra a Netflix, a tevê vai ser uma atividade a mais dentro da internet.
Você vai ver sua série favorita ou o telejornal de sua preferência na hora em que quiser, em seu laptop ou em seu tablete.
A famosa grade da Globo é insustentável na Era Digital.
Até os eventos esportivos ao vivo vão marchando para a internet. Neste ano, pela primeira vez, o site do US Open, um dos maiores torneios de tênis do mundo, transmitia os jogos ao vivo.
Em breve, você não precisará de uma tevê para ver esporte ao vivo, mas apenas de wifi e um aparelho qualquer.
Contra isso, até a Globo, com toda a sua força, é impotente.
Em termos de JN, isso quer dizer que mesmo que fosse um telejornal esplêndido, a audiência seria declinante na Era Digital.
Ninguém imaginava até recentemente que a tevê se transformaria numa mídia decadente, mas a internet fez isso.
Patrícia Poeta não precisa ficar embaraçada se alguém disser que ela levou para baixo a audiência do JN.
Nem Bonner.
Nem Kamel.
Nem, a rigor, os Marinhos.
Schumpeter, o grande economista, falou na “destruição criadora” que é a essência do capitalismo.
Para a Era Digital florescer, as mídias tradicionais serão forçosamente destruídas, ou reduzidas a quase nada.
É a “destruição criadora” em curso, ela que nunca se aquieta.
(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).
Paulo Nogueira
Sobre o Autor
O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Nenhum comentário: